sábado, 11 de setembro de 2010

Psicopedagogia: campo de conhecimento em expansão




Caríssimos (as) amigos e amigas,

Recentemente, fui envolvido em polêmica por iniciativa de um professor do Centro de Educação da UFPB, que atacou - usando inclusive expressões chulas - o campo de conhecimento da psicopedagogia, nosso curso de graduação e os cursos de especialização em psicopedagogia. Ao denunciar tal postura, fui atacado por ele e a polêmica circulou por e-mails no Centro de Educação - CE.
Entendo que tal iniciativa do professor foi antiética e equivocada. Antiética por se tratar de um evento para futuros gestores escolares da capital, os quais deverão ser procurados pelos egressos de nosso curso para estágio e prática profissional. Ao invés de promover o debate acerca de assunto (assegurando o exercício do contraditório), dedicou-se apenas a postar "tarjetas" na psicopedagogia.
Equivocada porque se funda numa concepção de ciência ultrapassada que não admite a construção de novos campos de conhecimento que nascem das demandas sociais e que possuem uma característica marcante: a multidisciplinaridade.
A psicopedagogia se propõe a apresentar um olhar multidisciplinar sobre o processo de aprendizagem. Percebe o aprendente como um todo, um ser produto e produtor de cultura, um ser biológico, um ser social. E age, na intervenção psicopedagógica, com instrumentos próprios e à partir do diagnóstico obtido através deste olhar.
Busca-se que o aluno aprenda. Mas, não apenas para engordar as estatísticas educacionais. Pretende-se a criação de sujeitos-autores de suas vidas e da vida sócio-cultural da comunidade.
Outros campos do conhecimento emergem também com um olhar multidisciplinar. Um exemplo foi a criação recente, em São Paulo, do curso de bacharelado em EduComunicação que busca formar educadores-comunicadores, que possam ocupar as esferas midiáticas com olhar educativo.
O profissional da psicopedagogia não vem para tomar o lugar de outros profissionais. Ele aparece para auxiliar pedagogos, coordenadores e demais profissionais na melhora do processo de aprendizagem.
A criação de um curso de psicopedagogia no âmbito de uma univerdade pública federal é algo bastante positivo.
A Paraíba precisa de mais investimentos em educação. Somos um estado pobre de recursos naturais e estamos distantes dos principais centros consumidores do país, de modo que nossa possibilidade de geração de riqueza por conta própria é limitada.
Precisamos de ajuda federal para melhorar a vida dos paraibanos. Quanto às nossas próprias forças, o principal recurso disponível para melhorar a PB é investir em educação, formação de recursos humanos.
Então, a criação do curso de psicopedagogia pode ser considerado, na verdade, um valioso instrumento para que a educação paraibana possa avançar.
Em vez de ficarmos promovendo disputa entre diferentes áreas de conhecimento, precisamos, sim, unir esforços para que as crianças paraibanas possam frequentar a escola e aprender.
Nosso curso já está na terceira turma e os alunos já se preparam para estagiar em organizações aprendentes, de forma supervisionada.
Nossos professores são todos doutores e mestres, em regime de dedicação exclusiva.
Já temos grupos de estudos funcionando (em espaço apropriado) e alunos envolvidos com atividade de iniciação científica.
Em breve teremos nossa clínica psicopedagógica, que atenderá á comunidade.
Pretendemos, a médio prazo, implantar um curso de mestrado na área.
Para ajudar a melhorar a educação paraibana, o curso de graduação em psicopedagogia da UFPB diz: presente!!!

Um comentário:

  1. Professor parabéns pelo artigo, ele vem comprovar o que muitas instituições em nosso País, inclusive públicas,já demonstram que a psicopedagogia veio para somar, pois através da união dos profissionais psicólogos,fonoaudiólogos,pedagogos,professores e outros, auxiliam nos diagnósticos e intervenções para a melhora de ensinantes e aprendentes, apesar da não regulamentação profissional ter sido aprovada, comprovam isto com os concursos e as contratações dos profissionais psicopedagogos que muitos Estados e cidades já realizaram e estão realizando, tornando assim mais reconhecido nosso trabalho, eu mesma comprovo isto, pois fui contratada pela prefeiura municipal de mairipora para realizar um trabalho institucional em um abrigo para crianças, e percebemos o quanto podemos ajudar.

    Abraços

    Valeria Tiusso

    ResponderExcluir