domingo, 28 de agosto de 2011

Paraíba faz educação?


O Governo do Estado anunciou na última segunda com todas as pompas e circunstâncias um plano chamado “Paraíba faz Educação” visando melhorar o ensino oferecido pela rede estadual. Presentes ao evento o governador, secretário de educação, gestores municipais, diretores de regionais de ensino, dentre outros. Ausente: o Sindicato dos Trabalhadores em Educação – SINTEP, que representa aqueles que vão aplicar o plano, ou seja, os professores. Nada mais sintomático.

O “plano” apresenta metas e objetivos através de ações em áreas abrangentes com nomes pomposos, a exemplo de “Educação em Expansão”, “Educação em Movimento”, “Educação Exemplar” e “Educação Cooperada”. Estão previstos programas que visam criar milhares de vagas em educação profissional, alfabetização e pré-vestibular, novas salas, dentre outras medidas. É claro que a maioria das ações parte de estratégias e recursos advindos da esfera federal. Mas, não se pode, é verdade, criticar o governo por dar boas notícias, até porque é isso que dele se espera.

Mais instigante que as medidas anunciadas foi a entrevista do líder girassóico anunciando “contrato de gestão” entre o governo e diretores para melhorar o desempenho escolar. Estes terão que se comprometer com metas de desempenho, o mesmo que planeja o governo quanto à remuneração dos docentes, submetida também a lógica produtivista, em que ganhará mais quem aprovar mais gente.

Mas quem executará tal política gerencial e “eficiente”? Das 1.036 escolas do estado, em 400 delas não há um único professor efetivo. Os vários milhares de prestadores de serviço recebem bem abaixo do piso salarial nacional. Pouco mais de 1.000 mestres concursados estão prestes a se aposentar, exatamente os poucos que se pretende substituir com uma seleção praticamente simbólica, recentemente anunciada.

Com um magistério insatisfeito, com trabalho precário, baixos salários, carreira desmotivadora e a total falta de condições de trabalho, que educação a Paraíba fará nos próximos três anos e meio? Uma educação “boa” ou de “faz de contas”?

Publicado no Correio da Paraíba em 25 de agosto de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário