quinta-feira, 12 de abril de 2012

Sucessão na UFPB


SUCESSÃO NA UFPB
Éder Dantas


Na próxima segunda, dia 05, quando milhares de estudantes chegarem a um dos campi da UFPB no início do semestre letivo 2012.1 estarão encontrando a instituição tomada por faixas, panfletos e outros materiais. Trata-se do início da campanha eleitoral para Reitor, cujo pleito deverá se realizar no mês de maio, em data a ser definida em breve pelo Conselho Universitário.
Embora a inscrição de chapas não tenha sido aberta ainda, vários nomes estão posicionados para disputar o cargo de “magnífico” dirigente de nossa maior instituição de ensino superior. São eles: a professora Lúcia Guerra (atual pró-reitora de extensão), tendo como vice o diretor do CCEN, José Creão; Margareth Formiga (diretora do CCS), tendo como vice o dirigente do CCJ, Eduardo Rabenhorst; o ex-pró-reitor Luiz Renato Pontes, cuja chapa é complementada pelo sindicalista Ricardo Lucena e a novidade do pleito: o diretor do Centro de Educação, Otávio Machado, que tem como vice Zoraide Bezerra. O lançamento desta última candidatura praticamente sacramenta a realização de segundo turno na eleição. Quem desistiu da disputa foi a ex-diretora do CCHLA, Aparecida Ramos, que preferiu prosseguir em seus trabalhos no governo Ricardo Coutinho.
Professores, servidores técnico-administrativos, estudantes e a comunidade em geral esperam uma campanha de alto nível, centrada em propostas, especialmente, quanto ao desafio de aprofundar o enraizamento da universidade na sociedade paraibana. Destituída de recursos naturais em abundância, com base econômica frágil e uma elite política desprovida de visão estratégica, o estado da Paraíba tem em suas instituições de ensino superior públicas (como a UFPB, a UFCG, o IFPB e a UEPB) o seu maior patrimônio, pela sua capacidade de produzir conhecimento científico e recursos humanos qualificados e até pelos seus orçamentos gigantes.
Não haverá nessa disputa também espaço para oposição radical ou raivosa em relação ao reitorado de Rômulo Polari. Aliado à ampliação dos investimentos no ensino superior impulsionada pelo governo Lula, o atual Reitor enfrentou duras resistências, apresentou projeto arrojado e conseguiu tocar a maior expansão da história da UFPB, que está dobrando de tamanho, ampliando seus investimentos em ensino, pesquisa e extensão, com novos cursos e dezenas de edificações. Ao mesmo tempo, a instituição melhora seu desempenho no Índice Geral de Cursos e em outros rankings.
Apesar dos inegáveis avanços do atual reitorado, não se pode negar falhas ou problemas que precisarão ser corrigidos para que a UFPB cumpra seu papel de fato. Seguiremos tratando do tema.

Publicado no Correio da Paraíba em 01/03/2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário